Jovem,

de idade indefinida.

Juventude!

Ninguém sabe quando começa,

ninguém sabe quando acaba,

nem mesmo você!

De repente, você

sente-se jovem,

de repente

não se sente mais!

 

Jovem!

Uma corrida pela vida

galopando nas estrelas

de universos a explorar.

Uma explosão de energia

transpondo, criadora,

os limites de seu corpo.

 

Jovem!

Quem me dera que você

fizesse do vazio de seu tempo

um tempo carregado,

cheio, trasbordante

de esperanças..

 

Quem me dera ver você

arando seus espaços,

férteis de sonhos,

e lançando as sementes nos sulcos

onde o milagre da fé

fecundará amanhãs

borbulhantes de frutos

brilhantes ao sol...

 

Quem me dera sentir

a gravidez de seus sonhos

e os partos ansiados

de mundos melhores,

de mundos mais jovens...

 

Quem me dera

que os velhos fossem jovens,

os maduros fossem verdes,

as folhas fossem flores

as flores fossem frutos

e a juventude fosse jovem...

 

Quem me dera...

 

Gerardo Cabada Castro