Tudo começou a acontecer pouco a pouco.

Entro no quarto e digo alguma coisa,

e ninguém cai na conta.

Digo: "Desliguem a televisão, por favor!"

E não acontece nada.

Então, digo mais alto:

"Desliguem a televisão, por favor!"

Finalmente tive que ir eu mesma desligar a televisão.

 

Então comecei a entender.

Meu marido e eu estivemos numa festa durante três horas

e eu já estava pronta para ir embora.

Fui procurá-lo.

Ele estava conversando com um companheiro de trabalho.

Aproximei-me dele para irmos embora

e ele continuou conversando.

Ele nem sequer me respondeu.

Foi aí que me dei conta.

Ele não pode ver-me.

Sou invisível!

Sou INVISÍVEL!

 

A partir de então, comecei a notá-lo mais e mais...

 

Levei meu filho ao colégio

e sua professora lhe perguntou:

"Com quem veio?"

E meu filho lhe respondeu: "Com ninguém".

Ele tem apenas 5 anos, mas...NINGUÉM?!...

 

Uma noite, estávamos entre amigas

celebrando a volta de uma amiga da Europa.

Janisse tinha feito esta viagem incrível.

Falava e falava dos hotéis fabulosos onde tinha estado

e eu estava lá sentada observando

as outras mulheres na mesa.

Maquiei-me no carro a caminho do restaurante.

Levava um vestido velho

porque era o único limpo que tinha.

Fiz um coque na cabeça e sentia-me realmente patética.

 

De repente Janisse veio até mim e disse:

"Trouxe isto para você".

Era um livro sobre as grandes catedrais da Europa.

Não entendi.

Então, li a dedicatória.

Ela escreveu:

"Com admiração, pela grandeza

do que você está construindo

sem que ninguém o veja".

 

Não dá para saber os nomes das pessoas

que construíram as grandes catedrais.

Procurando no livro quem tinha construído

aquelas obras maravilhosas,

intento buscar os nomes e diz:

"Autores... anônimo... anônimo... anônimo..."

 

Eles concluíram suas obras

sem saber que admirariam seu trabalho.

 

Há uma história sobre um dos construtores

que estava esculpindo uma pequena ave

na parte superior de uma viga

que ia ser coberta pelo teto

e alguém se aproximou e lhe perguntou:

"Por que gasta tanto tempo

esculpindo algo que nunca ninguém vai ver?"

Está registrado que o construtor respondeu:

"Porque Deus o vê".

 

Eles confiaram em que Deus via tudo.

Eles entregaram toda sua vida a um trabalho,

um magnífico trabalho que nunca veriam acabado.

 

Eles trabalharam dia após dia.

Algumas dessas catedrais

levaram mais de 100 anos em construir-se.

Isso é mais tempo que toda a vida de trabalho

de um homem, dia após dia.

 

Eles fizeram sacrifícios pessoais,

sem receber crédito nenhum em troca.

Realizando um trabalho que nunca veriam finalizado.

Por uma obra na qual seu nome nunca figurará.

 

Um escritor escreveu que nunca mais

será construída uma Catedral.

Porque muita pouca gente está disposta

a sacrificar sua vida dessa maneira.

 

Fechei o livro.

E foi como se ouvira Deus dizer:

 

"Eu a vejo! Não é invisível para mim.

Nenhum sacrifício é tão pequeno que eu não o note.

Vejo cada torta que cozinha.

Cada prato de feijão que prepara,

e sorrio para todos.

Vejo cada lágrima de decepção,

quando as coisas não saem

como você gostaria que saíssem.

 

Mas lembre-se:

está construindo uma 'Grande Catedral',

que não será terminada durante sua vida

e lamentavelmente não viverá para vê-la,

mas se a construir bem, EU A ACABAREI".

 

Minha invisibilidade

tornou-se um ponto de reflexão para mim,

Não é uma enfermidade que está levando minha vida.

É a cura da enfermidade de meu egocentrismo.

É o antídoto de meu próprio orgulho.

 

Está bem que não me vejam.

Está bem que não saibam.

Não quero que meu filho diga aos seus amigos do colégio

que traz à nossa casa:

"Vocês não imaginam o que minha mãe faz:

levanta-se às 4 da manhã, faz bolo,

prepara o café, cozinha, arruma a mesa

e está tudo prontinho quando me levanto".

 

Faça ou não faça essas coisas,

não quero que diga isso.

Quero que ele queira vir a casa,

e em segundo lugar,

quero que diga a seus amigos:

"Vocês vão adorar estar lá em casa!"

 

Está bem que não me vejam.

Não trabalhamos para eles.

Trabalhamos para Ele.

Nos sacrificamos para Ele.

Eles nunca verão o que fazemos.

Apesar de que o façamos corretamente,

apesar de que o façamos bem.

Rezemos para que nossas obras permaneçam

como monumentos para Deus!...

 

(Trad. da legenda em espanhol
do vídeo "A mulher invisível")