Na mesma época,
em que viveu o famoso autor de "Os lusíadas" (séc. XVI),
viveu outro famoso poeta português,
o mais lido depois de Camões:

Francisco de Sá de Miranda
.

É ele o autor do poema a seguir,
cujo título encabeça esta página:

Comigo me desavim,
Sou posto em todo perigo;
Não posso viver comigo
Nem posso fugir de mim.

 

Com dor, da gente fugia,

Antes que esta assim crescesse:

Agora já fugiria

De mim, se de mim pudesse.

 

Que meio espero ou que fim

Do vão trabalho que sigo,

Pois que trago a mim comigo

Tamanho imigo de mim?

 
Na última linha,
"imigo"
,

equivale a "inimigo"
(forma sincopada).

É como se dissesse:

"Meu inimigo sou eu".

 Sou mesmo?...
Dá pra pensar...