Uma noite
sonhei que voava!...
Saía voando,
sem asas,
como se uma força
aqui dentro,
me puxasse pra cima,
pra cima de tudo,
pra cima das árvores,
dos prédios mais altos,
suavemente,
maciamente...
Que gostosura!...

O mundo lá embaixo
ficava tão belo
tão cheio de cores
que visto do alto
parecia um rebanho
de arco-íris
deitado no chão...
E o mundo todo
de tão pequenino
era um presépio
em pleno Natal!...
E senti saudades
de tudo lá embaixo!...
Comecei a descer,
suavemente,
como subi,
no ritmo da brisa,
planando no azul
sentindo as nuvens
acariciar o meu rosto
e o mundo crescendo
ao encontro de mim...

Acordei!
Tudo escuro!
Sem arco-íris!
Um pernilongo
afinava seu violino
no meu ouvido...

Fechei os olhos
e ainda lá dentro encontrei,
esperando por mim,
pedaços do meu sonho,
pedaços do meu presépio,
pedaços do meu Natal...

Agora já não preciso
esperar a noite
pra embarcar no meu sonho
pra entrar no meu Natal
e encontrar nele
tanta gente amiga
que se fez caminho
pra eu caminhar...

(AUTOR: Gerardo Cabada Castro)

 

 


  VOLTAR