PAI E FILHO NA PESCARIA

O garoto, depois de uma pescaria com o pai, chegou chorando em casa. A mãe perguntou-lhe:

- Por que você está chorando desse jeito, menino?

- Um peixe imenso escapou da linha do papai. Mas era um peixe muito grande mesmo. Foi uma briga danada entre os dois e no fim o peixe acabou levando vantagem e escapuliu, arrebentando a linha.

- Mas meu filho, você não precisa chorar; você tem é que rir numa hora dessas, pois o peixe sobreviveu...

- Foi o que fiz, mas papai não pensou assim!

 

MENTIROSO É APELIDO

- Ouvi dizer que o peixe que você pegou era muito grande...

- Grande é apelido. Foi a maior briga.

- Conta melhor essa aí!

- Quando a vara entortou, eu comecei a manivelar o meu velho molinete.

O peixe só tomava linha. Pedi ajuda de dois amigos para me ajudar a puxar. Não foi suficiente. Amarramos a linha num carro de boi e nada. Trouxemos um jipe com tração nas quatro rodas para ajudar nessa briga.

- E daí? Tiraram esse dinossauro da água?

- Que nada. Ele levou tudo para dentro da água e ainda por cima entortou o rio.

 

GRANDE PESCADOR

- Eu sou um pescador que pesco um peixe atrás do outro.

- Você??? Mas eu nunca vi trazer um peixe sequer para casa!

- É que eu nunca consigo pescar o primeiro para iniciar a série.

 

MARCANDO O PESQUEIRO

Dois caipiras vêm de uma grande pescaria e pergunta um:

- Oi, você marcou o lugar onde nós apanhamos o peixe?

- Sim, claro! Fiz uma cruz no fundo do barco.

- Você é maluco! E se na próxima vez vamos não alugamos o mesmo barco!

  

PEIXÃO!!!

Um menininho chega em casa com um enorme peixe na mão.

Sua mãe exclama, admirada:

- Que peixe enorme que você pegou, Joãozinho!

- Isso não é nada, mamãe. Precisa ver aquele que engoliu o pai.

 

A TROCA

O pescador, com fama de mentiroso, acabava de chegar de uma pescaria no Mato Grosso.

- Como foi de pescaria? - perguntaram-lhe seus amigos?

O pescador sentou-se, pediu uma pinga e contou:

- Logo que cheguei à beira do rio, doido por começar a pescaria, quando foi armar as linhas percebi que havia levado vários tipos de comidas e bebidas (sanduíches, lingüiça, churrasco, cerveja e cachaça) e tinha esquecido o principal, as iscas.

Como não tinha com que iscar, fiquei tomando todas, cachaça, cerveja, tudo que tinha de bebida.

De repente vi passar uma cobrinha com uma rã na boca. Então peguei a cobrinha, tirei-lhe a rã da boca e dei-lhe um gole de cachaça. Isquei rã, arremessei a linha e fiquei esperando algum peixe.

Passado algum tempo, senti alguma coisa "cutucando" a minha perna. Pra minha surpresa, ao olhar para baixo, quem estava lá? Era a mesma cobrinha com outra rã na boca querendo trocar por mais cachaça!