Raimundo vivia num apartamento com Teresa. Aos olhos da família de Ramón, Teresa apenas partilhava o apartamento de solteiro com Raimundo. Ninguém podia afirmar outra coisa.

 

Um dia Raimundo convidou sua mãe a jantar no seu apartamento de solteiro. Durante a janta, sua mãe não pode deixar de notar como era bonita Teresa, a companheira do apartamento de seu filho. Durante muito tempo ela tinha suspeitado que a relação de seu filho com ela não era de simples amizade, e ao vê-la suas suspeitas cresceram. Durante a janta, observado a maneira como os dois se comportavam, se perguntou se dormiriam juntos.

 

Como se estivesse lendo o pensamento da mãe, Raimundo lhe disse:

- Mãe, sei o que está pensando. Teresa eu somos apenas companheiros apartamento.

Aproximadamente uma semana mais tarde, Teresa comentou com Raimundo que desde o dia em que a mãe dele tinha vindo jantar com eles, não encontrava a grande concha de prata para servir a sopa. Raimundo respondeu-lhe que certamente sua mãe não a teria levado, mas que passaria pela casa dela e se ela não estivesse lhe deixaria um bilhetinho escrito num lugar bem visível.

 

Para prevenir-se escreveu imediatamente o bilhete. Dizia assim:

"Querida mãe: Não estou querendo dizer que você pegou ou não pegou a concha de prata no dia que veio jantar, mas acontece que desde aquela noite desapareceu. Você sabe onde está? Um beijo de teu filho Raimundo".

 

Poucos dias depois, Raimundo recebeu um bilheitinho da mãe, que dizia:

"Querido filho: Não estou dizendo que você se deita ou não se deita com Teresa, mas o fato é que se Teresa fosse dormir na sua própria cama, já teria encontrado a concha de prata para servir sopa, que eu coloquei entre os lençóis da cama dela. Com carinho, sua mãe!".


 

(Autor desconhecido)