Quando eu nasci, disseram-me que fui trazido no bico de urna cegonha. Aí eu fiquei inculcado: meu pai tem carro, meus irmãos têm carro, por que será que eu tive que vir de cegonha?

Não consigo me lembrar como é que a cegonha deu as informações de praxe, através do seu bicrofone, logo que decolamos. Imagino que tenha sido assim:

- Atenção, senhor passageiro. Por favor, ponha sua trouxa na vertical, aperte os cueiros e não fume enquanto estamos decolando... Durante o vôo será servida mamadeira...

 Acredito que o vôo tenha transcorrido sem anormalidades. Graças a Deus. Porque toda cegonha é monomotor. Se tivesse falhado o motor, o mínimo que me aconteceria era achatar o traseiro por aí.

Consta que eu fui trazido no bico da cegonha. No bico! Será que ela estava tão superlotada assim?!

 Outra coisa: eu, que gosto de contar piadas, me agradeço por não me ter ocorrido essa idéia durante o vôo. Imagine você se eu conto urna piada e a cegonha abre o bico para rir?!

E se eu tivesse a mania de fazer cócegas?

 Mas cá pra nós, se toda criança que nasce é trazida pela cegonha, que enorme frota de táxis aéreos não deve ter essa Companhia Cegonhífera de Transportes Infantis!?

 

(Do livro: "Enciclopédia maluca")