Conta-se que num país longínquo, há muitos séculos, um rei se sentiu intrigado com algumas questões. Desejando ter respostas para elas, resolveu organizar um concurso do qual todas as pessoas do reino poderiam participar.

O prêmio seria uma enorme quantia em ouro, pedras preciosas, além de títulos de nobreza. Seria premiado com tudo isto, quem conseguisse responder a três questões:

1. "Qual é o lugar mais importante do mundo?"

2. "Qual é a tarefa mais importante do mundo?"

3. "Quem é a pessoa mais importante do mundo?"

 Sábios e ignorantes, ricos e pobres, crianças, jovens e adultos se apresentaram, tentando responder às três perguntas. Para desconsolo do rei, nenhum deles deu uma resposta que o satisfizesse.

Em todo o território um único homem não se apresentou para tentar respondê-las. Era alguém considerado sábio, mas a quem não importavam as fortunas nem as honrarias da terra.

O rei convocou esse homem para vir à sua presença e tentar responder às suas questões. O velho sábio respondeu a todas:

 1. O lugar mais importante do mundo é aquele onde você está. O lugar onde você mora, vive, cresce, trabalha e atua é o mais importante do mundo. É ali que você deve ser útil, prestativo e amigo, porque este é o seu lugar.

 2. A tarefa mais importante do mundo não é aquela que você desejaria executar, mas aquela que você deve fazer. Por isso, pode ser que o seu trabalho não seja o mais agradável e bem remunerado do mundo, mas é aquele que lhe permite o próprio sustento e da sua família. É aquele que lhe permite desenvolver as potencialidades que existem dentro de você. É aquele que lhe permite exercitar a paciência, a compreensão, a fraternidade. Se você não tem o que ama, é importante que ame o que tem. A mínima tarefa é importante. Se você falhar, se se omitir, ninguém a executará em seu lugar, exatamente da forma e da maneira que você o faria.

 3. E, finalmente, a pessoa mais importante do mundo é aquela que precisa de você, porque é ela que lhe possibilita a mais bela das virtudes: a caridade. A caridade é uma escada de luz. E o auxílio fraternal é a oportunidade, a chance de crescer. É a mais alta conquista que o homem poderá desejar.

 O rei, ouvindo as respostas tão ponderadas e bem fundamentadas, aplaudiu, agradecido.

 Para sua própria felicidade, descobrira um sentido para a sua vida, uma razão de ser para os seus últimos anos de vida.

(Autor desconhecido)