Um sapinho e um cachorrinho viviam numa floresta. Apesar de serem tão diferentes, eram muito amigos. Certo dia, andavam eles brincando, quando encontraram um gatinho encolhido, à sombra de uma árvore.

- Você quer brincar conosco? - perguntou o sapinho.

O gatinho estava muito só e não tinha com quem brincar; por isso aceitou o convite. Daquele dia em diante, andavam sempre juntos, brincando, passeando ou procurando o que comer.

 

Certa manhã quando acordaram, o cachorrinho falou:

- Vamos fazer uma excursão?

- Boa idéia - respondeu logo o sapinho.

- Excursão? O que é isso? - perguntou o gatinho muito admirado.

- Ora, excursão é o mesmo que passeio, um grande passeio – explicou o sapinho.

O gatinho não gostava muito de grandes caminhadas, mas foi com os amigos.

Foi uma longa caminhada. O sapinho e o cachorrinho divertiram-se, pulando e correndo. O gatinho, muito cansado, perguntava, a toda hora, se faltava muito, e os amigos riam:

- É logo ali. Não demora...

 

Finalmente chegaram. Era um lugar maravilhoso! Havia uma cascata de água bem clarinha. O sapo e o cachorrinho pularam na água, deliciados. O gatinho ficou só olhando. Odiava água, e aquela água devia estar bem fria.

- Vem! - Gritaram o sapinho e o cachorrinho.

O gatinho, apavorado, respondeu:

- Não, não!...Tenho medo!...A água me faz mal!...

O cachorrinho e o sapinho, então, decidiram jogar o gatinho na água. Quando viram o gatinho distraído, empurraram-no na água.

O gato esperneava embaixo da água e quando conseguiu sair daquela água gelada, saiu disparado como doido. O cachorrinho e o sapo riram à vontade.

Quando ao fim do dia chegaram em casa, o gatinho estava tão cansado que mal podia caminhar. Jogou-se sobre uma caminha de folhas secas. Tremia e espirrava que fazia dó.

 

O sapo e o cachorrinho tiveram pena dele. Ficaram preocupados e faziam tudo para aquecer o amigo. O sapinho juntava folhinhas para cobrir o gatinho, e o cachorrinho esfregava-lhe o corpo, para esquentá-lo. O gatinho ficou vários dias com febre. Seus amigos nem tinham vontade de brincar. Estavam muito tristes. Quando o gatinho melhorou, o sapinho e o cachorrinho respiraram aliviados. O gatinho não lhes queria mal! Não estava zangado com eles!

 

Envergonhados com o que tinham feito, resolveram que daquele dia em diante, teriam mais cuidado com as brincadeiras. E assim, o sapinho e o cachorrinho continuaram a ser os melhores amigos do gatinho.

 

(Autor desconhecido)