O homem era um freguês habitual, e a gerência fazia de tudo para agradá-lo. Por isso, quando, um dia, ele se queixou de que só lhe estavam servindo um pedaço de pão com a refeição, o garçom, prontamente, trouxe-lhe quatro fatias:

- Isso é bom - disse ele, - mas não o bastante. Gosto de pão, bastante pão.

 

Assim, na noite seguinte, trouxeram-lhe doze fatias.

- Bom - disse ele. - Mas vocês ainda estão sendo econômicos, não é mesmo?

Nem mesmo uma cesta cheia de fatias de pão, no dia seguinte, interrompeu suas queixas.

 

Aí o gerente decidiu dar-lhe uma lição. Mandou fazer um pão colossal, com dois metros de comprimento e um de largura. Com a ajuda de dois garçons, o próprio gerente colocou-o em uma mesa ao lado do freguês e esperou a reação.

 

O homem olhou fixamente o pão, depois virou-se para o gerente e disse:

- Ah, então voltaram a servir só um pedaço!

 

 

(Antony de Mello - "O segredo do iluminado")