Um homem passeava de um lado para outro, diante de uma loja de artigos femininos, empurrando um carrinho de neném, enquanto sua mulher fazia compras na loja.

 

O neném berrava com toda a potência de seus pulmões, chorando como se o estivessem esfolando vivo. O homem, porém, sem parar, dizia suavemente:

- Calma, Rodrigo!... Calma!... Não vai demorar!... Procure se controlar e ficar bonzinho, Rodrigo!... Sossega, Rodrigo!...

E assim por diante...

 

Uma senhora que ia passando, parou para observar a cena. Admirada aproximou-se do homem:

- Maravilhoso o modo com que você fala com a criança! É muito difícil encontrar um pai tão dedicado e carinhoso!...

 

Depois, virando-se para a criança, continuou:

- Chama-se Rodrigo, não é?

 

- Não, senhora! - respondeu o homem, vermelho. - Rodrigo sou eu!

 

(Autor desconhecido)