Certa vez, passeava um homem pelas ruas de sua cidade quando cruzou com um vagabundo. Prontamente o homem o cumprimentou com um aceno, mas o vagabundo, incompreensivelmente, respondeu com uma série de insultos e palavrões.

 

O povo que circulava pela rua começou a se aglomerar em volta dos dois, enquanto o vagabundo continuava a dizer palavrões ao homem que, com um sorriso no rosto, apenas escutava.

 

Quando o vagabundo parou de falar, o homem replicou-lhe com palavras ternas e carinhosas.

 

Ainda irritado, o vagabundo continuou seu caminho, sem parar de ofender aos gritos o homem que o cumprimentara.

 

O homem, porém, continuou mostrando-se sorridente e falando-lhe calmamente.

 

Um dos passantes que presenciara a cena, aborrecido com a situação, aproximou-se e perguntou ao homem:

- Por que respondeu aos xingamentos e ofensas do mendigo com palavras educadas? Não vale a pena!

 

O homem virou-se para ele, e olhando-o no fundo dos olhos, respondeu-lhe:

 - Cada um dá do que tem.

 

(Autor desconhecido)