Sentindo-se grato pela bondade do rei Sol, por iluminá-los e protegê-los todo dia sem nunca sequer atrasar ou deixar de brilhar, outro rei, o rei Leão, decidiu homenageá-lo. Para isso convocou todos os animais da floresta. Durante a reunião, foram apresentadas algumas sugestões quanto ao tipo de homenagem que seria digna a um rei tão grandioso.

O primeiro a sugerir foi o Macaco:

- Vamos montar uma peça de teatro.
 

Os outros animais protestaram de imediato:

- Nada disso, não temos tempo para ensaiar - disse sabiamente a Coruja, liderando o grupo dos que não concordaram com a idéia.

- Que tal um musical com os pássaros cantando e os outros animais dançando - sugeriu o Pintassilgo.

- As sugestões já estão melhorando - comentou, alegre, o rei Leão.
 

Até que a Raposa, com um ar de reprovação, avisou:

- O nosso rei Sol não vai gostar de nenhuma dessas idéias; o que ele iria realmente gostar só eu sei.
 

Imediatamente, todos silenciaram para ouvir a sugestão da Raposa. Ansioso, o rei Leão ordenou:

- Fale logo, criatura, não vê que não temos tempo a perder?
 

A raposa, com jeito de quem domina a situação, foi logo falando:

- Como sou a mais astuta, sugiro um monólogo, no qual recitarei um de meus poemas preferidos.
 

Todos, sem exceção, vaiaram a raposa, por seu egocentrismo. Irritado, o rei Leão disse:

- Saia daqui, Raposa, temos mais o que fazer do que simplesmente ver você se vangloriando e massageando o seu ego. A homenagem aqui é de todos os animais para o rei Sol, e não podemos privilegiar um só animal; todos nós temos de aparecer igualmente.
 

Depois de horas de discussão, veio a solução: a idéia era um concerto com todos os animais cantando. O ensaio começou na mesma hora, pois a apresentação seria no dia seguinte, logo pela manhã. O ensaio terminou tarde da noite, mas estavam todos afinadíssimos.
 

No dia seguinte, quando o rei Sol começou a aparecer, lá estavam todos os animais perfilados cantando em alto e bom som, sem um desafino sequer. O rei Sol ficou todo emocionado, até que, de repente, a Raposa, desastradamente, começou a desafinar. Envergonhados, todos os outros animais pararam de cantar e só ficou a raposa cantando cada vez mais alto e cada vez mais desafinada. Indignado, o rei Leão foi tirar satisfação com a raposa:

- Raposa, por que você fez isso? Por que você desafinou?
 

Com cara de despreocupada e com ar de missão cumprida, ela respondeu:

- Se eu não desafinasse, quem iria me notar?

 

(Autor desconhecido)