O viajante caminhava pela estrada, quando observou o pequeno rio que começava tímido por entre as pedras. Foi seguindo-o por muito tempo. Aos poucos, ele foi tomando volume e se tornando um rio maior. O viajante continuou a segui-lo.

 

Bem mais adiante, o que era um pequeno rio, se dividiu em dezenas de cachoeiras, num espetáculo de águas cantantes. A música das águas atraiu mais o viajante, que se aproximou e foi descendo pelas pedras, ao lado de uma das cachoeiras.

 

Descobriu, finalmente, uma gruta. A natureza criara, com paciência, caprichosas formas na gruta. Ele foi adentrando, admirando sempre mais as pedras gastas pelo tempo.

 

De repente, descobriu uma placa. Alguém estivera antes dele. Com a lanterna, iluminou os versos que nela estavam escritos. Eram versos do grande escritor Tagore, Prêmio Nobel de Literatura de 1913:

 

"Não foi o martelo que deixou

perfeitas estas pedras,

mas a água, com sua doçura,

sua dança e sua canção.

Onde a dureza só faz destruir,

a suavidade consegue esculpir".

 

(Autor desconhecido)