O senhor Mileno não conseguia dormir. Cansado de um dia de trabalho, com a perspectiva de mais um dia acordando cedo, sem ter descansado, o deixava cada vez mais nervoso.

 

Normalmente, ele pegava no sono logo que encostava a cabeça no travesseiro. Mas, nas outras noites, não era bombardeado, como agora, com aquela música barulhenta do apartamento vizinho, martelando seus tímpanos com um bilhão de decibéis.

 

Finalmente desistiu do sono. Era impossível dormir:

- Essa gente não pensa nos outros! - gritou, mas nem ele mesmo ouviu sua própria voz. Foi aí que ele teve a ideia...

 

Na noite seguinte, no apartamento vizinho, as luzes foram apagando-se e o sossego e a paz do sono se apossaram de todos. De repente, um estouro de milhões de watts de som explodiu no meio da noite. Houve gritos, choros, palavrões, e o chefe da família saiu furioso do apartamento, procurando a fonte daquele som.

 

Foi assim que ele chegou à porta do apartamento de seu vizinho, o senhor Mileno, e esmurrou-a a socos e pontapés. A porta abriu-se imediatamente e apareceu o senhor Mileno, calmo, com um belo e cordial sorriso nos lábios:

- Olá! Boa noite! - saudou amavelmente.

- Que diabo de música é essa? - berrou o vizinho furioso, quase agredindo-o.  - A esta hora da noite, sem deixar ninguém dormir!!!

- Esta música - respondeu o senhor Mileno, sempre sorridente - é a gravação da música que você tocou ontem no seu apartamento, com o mesmo volume e a esta mesma hora, sem deixar ninguém dormir!

 

(G. Cabada)