Conversando com um velho homem, um jovem desabafou:

- Faz tanto tempo que estou tentando conhecer uma garota e hoje, consegui falar com ela pelo telefone, mas fiquei decepcionado.

- Por quê? - perguntou o velho homem.

- Eu lhe perguntei timidamente como ela era, e ela, rindo, respondeu: sou verde.

- Por que essa resposta o chocou?

- Ora, amigo, ela estava debochando de mim!

 

Ouvindo isso, o velho homem pôs-se a falar:

- Meu jovem, você não entendeu que ela estava se comparando a uma árvore.

- Árvore? Como assim?

- É que as mulheres são mesmo como as árvores: elas fincam raízes no solo dos nossos corações; têm paciência e capricho com o próprio crescimento; seus braços são poderosos e, ao abraçá-las, nossos espíritos recebem renovadas energias; elas amam e cuidam dos seus frutos, mesmo sabendo que um dia o mundo os levará para longe delas...

 

O velho homem pensou um pouco e continuou:

- Outras - aquelas que não dão frutos - oferecem sua sombra àqueles que necessitam de descanso; quando açoitadas pelos fortes ventos da vida, elas emanam o perfume da força e da fé, acalmando-nos, por mais assustadora que seja a noite; sua seiva são as lágrimas de dor ou de alegria quando em presença do machado que fere ou da água que dá vida...

 

O homem olhou para o céu azul, antes de prosseguir:

- Seus corações vão alto o suficiente para escutarem mais de perto os recados do céu; elas reverdecem as florestas dos homens, as ruas das cidades, as avenidas, os acostamentos de estradas e as beiras de rios; elas entendem o canto dos passarinhos e, mais do que ninguém, elas valorizam e protegem seus ninhos; suportam melhor a solidão e as vicissitudes que a Vida às vezes nos impõe; no mundo, elas nascem em maior número para que o verde da esperança jamais empalideça.

 

O velho homem virou-se para o jovem:

- Meu menino, todas as mulheres são árvores, todas as mulheres são verdes."

 

O jovem abaixou a cabeça, pensativo, e disse devagar:

- Eu tenho um triste jardim no peito: nele está faltando uma árvore.

E correu para o telefone mais próximo...

(Silvia Schmidt - www.humancat.com)