Um agricultor tinha vários sacos de sementes diferentes. Resolveu um dia plantar um grande terreno que nunca tinha sido cultivado, com uma lavoura de morangos. Passou o trator, limpou o terreno, apanhou um saco enorme de sementes e foi deitando-as na terra. Ao final de uma tarde desceu do trator, exausto, e olhando a grande extensão plantada, pensou:

- Agora é só esperar que a natureza faça o resto.

E foi descansar. Três semanas depois o homem resolveu dar uma olhada em sua nova lavoura para ver o crescimento das plantas. Começou a caminhar a pé por entre as pequenas mudas que já tinham mais de 1 palmo de altura, examinando-as cuidadosamente, até de que repente parou estarrecido, pôs as mãos na cabeça e gritou:

- NÃO!!!

 

Correu ao celeiro pegou o saco das sementes que plantara e confirmou sua suspeita: ele semeara equivocadamente, tomates ao invés de morangos. Indignado voltou correndo à sua lavoura e esbravejando e pisoteando as tenras plantinhas, gritava:

- Droga, droga!!! Detesto tomates! Eu queria morangos....

E chutava a terra, pisoteava, pulava numa fúria insana até cair sobre o solo exausto e embarrado. Vendo aquilo, sua mulher o socorreu e ele enraivecido afirmou detestar aquela lavoura e queria vê-la destruída. Sua mulher, pessoa simples, mas sábia, o consolou e lhe disse:

- Mas, querido, a natureza não fez nada errado. Se você semeou tomates, como quer recolher morangos?...  

***   ***   ***

Assim é a vida. Sempre recolhemos o que nós plantamos. Nisso não há nenhum castigo. É apenas uma lei, lógica e imutável. Se você planta tomates vai recolher tomates! Portanto, quando você semear sua "lavoura" cuide bem na escolha das "sementes", para não ter surpresas desagradáveis ou tristes.

(Autor desconhecido)