Certa vez, um jovem de 17 anos foi à casa paroquial para falar com o vigário. Apertou o botão da campainha. O vigário veio e o jovem lhe disse um pouco irritado:

- Padre, o senhor, na igreja, está sempre mandando a gente rezar, mas nunca explicou como rezar. Eu vim aqui para o senhor me explicar, e gostaria que fosse agora.

 

O padre, com toda calma, sorriu compreensivo e, sem dizer uma palavra, fez sinal para que ele entrasse. Fechou a porta e foi levando-o pelo corredor. Passou na frente da sala de visitas e não entrou. Lá no fundo do corredor havia uma pequena capela. O padre abriu a porta, apontou para o sacrário e lhe disse apenas:

- Fale com ele.

Deixou-o dentro da capela, fechou a porta e foi embora.

 

O rapaz ficou mais nervoso ainda: "Eu pensava que o padre ia levar-me para a sala e explicar longamente como rezar, mas ele me deixa aqui sozinho... Fale com ele! Falar o quê?" No silencio da capela, aquelas palavrinhas continuaram a soar em seus ouvidos... “Bem... vou falar alguma coisa”. - decidiu.

Começou a conversar com Cristo. A primeira coisa que disse foi da raiva que sentia do padre. E o papo "pegou". Só saiu da capela uma hora depois. Já não estava mais nervoso. Procurou o vigário:

- Tchau, senhor padre, multo obrigado!

 

Na semana seguinte, lá estava ele de novo apertando a campainha. O padre veio.

- Bom dia, padre, posso ir lá falar com Ele outra vez?

- Pode, sim.

 

Na outra semana fez a mesma coisa... e continuou.

Todas as semanas, ia lá "falar com ele".

 

Tinha aprendido a rezar!

 

 

(Contado pelo próprio jovem protagonista desta história)