Muitas pessoas têm um "hobby". Eu tenho um amigo que cultiva um hábito há anos. Três vezes por semana ele faz entrega de flores, como voluntário para uma floricultura.

 

Certo dia, perguntei-lhe o porquê deste hobby tão diferente. E ele, então, contou:

 

- "Numa tarde sombria, eu caminhava pelo bairro com grande peso sobre os ombros. Eram muitos os problemas, enormes as dificuldades, e eu estava deveras desolado, abatido, em busca de respostas. Sentei-me num banco da praça, olhando para o vazio, sentindo muita pena de mim mesmo.

 

Foi aí que um garoto, numa bicicleta, me chamou a atenção. Ele parou na calçada em frente à praça, pegou um maço de flores que estava na garupa, e tocou a campainha de um sobradinho simpático, no qual eu nem tinha reparado até então. Uma senhora de meia-idade abriu a porta, chegou ao portão e, percebendo o entregador de flores, abriu um sorriso que iluminou todo o seu rosto. Agradeceu ao rapaz e, abraçada ao grande ramalhete, entrou em casa e, ainda sorrindo, fechou a porta.

 

Eu, dali onde estava, observei cada detalhe da cena, e tomei a decisão: iria, a partir deste dia, entregar flores. O efeito que aquele sorriso causou em mim, como mero observador, certamente seria muito mais intenso, se eu mesmo fosse o entregador.

 

E assim tem sido. A cada nova entrega, fico imaginando o rosto do presenteado, seus sonhos, anseios e fantasias. Confiro pessoalmente a emoção de cada um deles, e acolho seus sorrisos como prêmios pelas alegrias que as flores lhes proporcionam. Com o tempo, tenho percebido que, junto com as flores, entrego também um pouquinho de mim, um pouquinho do que sou, e partilho das surpresas, risos e emoções".

 

***   ***   ***

 

Após esta narrativa, pus-me a refletir...

Será que nossa felicidade não está em contribuir para a felicidade do outro?

Será que se entregássemos mais flores aos nossos amigos,

às pessoas que convivem conosco em casa, no trabalho,

não receberíamos mais sorrisos?

Será que nossa dor não iria diminuindo até desaparecer completamente?...

Que este seja um convite. Façamos entregas diárias de flores.

Sejamos mensageiros de paz. Cultivemos sorrisos.

Colecionemos amigos. Tornemo-nos felizes!

 

(Sylvia Muniz)