Certo dia, o Imperador me abordou com o seguinte dilema:

 

- Nasrudin, se eu colocasse em um prato, moedas de ouro, e em outro, justiça, qual você escolheria?

 

- Certamente escolheria o prato de moedas de ouro - respondi sem pestanejar.

 

O Imperador se surpreendeu com a minha resposta tão pouco nobre.

- Como? Dinheiro? O que o dinheiro tem de especial?

 

- Quer dizer que o senhor escolheria a justiça?

- Claro! A justiça é coisa que nem sempre se encontra, portanto, rara.

 

- O senhor escolheu do jeito que eu escolhi. Eu escolhi o que não tenho: dinheiro. O senhor escolheu o que não tem: justiça.

 

 (Do livro: Eu, Nasrudin)