- Tenho sobre minha mesa uma corda de violino. Ela é livre. Torço uma de suas pontas e ela reage. É livre. Mas não é livre para fazer aquilo que uma corda de violino deve fazer: produzir música. Pego-a, pois, prendo-a no meu violino e aperto-a até ficar bem esticada. Só então ela é livre para ser uma corda de violino.

 

Do mesmo modo, nós somos livres quando nossas vidas não têm compromissos, mas não para ser o que fomos destinados a ser. A verdadeira liberdade não é liberdade DE, mas liberdade PARA.

(Rabindranath Tagore)