A consciência é como uma pedra cheia de arestas cortantes que está dentro da gente.

Quando a pessoa faz algo de errado, a pedra começa a girar, a girar, e machuca e corta com suas arestas afiadas.

Ela só pára de girar quando a pessoa repara o dano que causou com seus atos ou palavras, e, quando a pedra pára de girar, a paz volta ao interior da pessoa.

Mas se a pessoa não tenta se corrigir, essa pedra, de tanto girar por causa de suas contínuas e repetidas más ações, vai gastando as arestas até ficar redonda e suave.

E, então, já não adianta mais girar, porque não machuca e não leva a pessoa a se arrepender e corrigir-se do que fez de errado.

 

(Lenda indígena)