A cansada ex-professora se aproximou da caixa do supermercado. Sua perna esquerda doía muito.

 

Imediatamente depois de entrar na fila, viu aproximar-se um homem com quatro crianças e a esposa grávida. Notou também a tatuagem no seu pescoço e pensou: "Ele esteve preso!". O jeito de vestir, o corte do cabelo, a maneira de andar, tudo nele era típico das gangues, e ela continuou pensando: "É membro de uma gangue!".

 

Mesmo assim, ela tentou deixar passar o homem na sua frente:

- Pode passar na minha frente - ofereceu ela.

- Não, a senhora primeiro! - retrucou ele.

- Você está com a mulher grávida: pode passar! - insistiu a ex-professora.

- Desculpe, mas devemos respeitar as pessoas de mais idade! - disse o homem fazendo um gesto para que entrasse na fila e abrindo um grande sorriso.

 

A senhora passou na sua frente, mas voltou-se depois e olhando para o homem perguntou-lhe:

- Quem lhe ensinou tão boas maneiras?

- A senhora mesmo - respondeu ele. - Fui seu aluno nas primeiras séries.

 

(Paul Karrer - adapt)