O ARROZ E AS FLORES
 

Li esta história não sei onde, talvez num jornal, contada por um jornalista ocidental, sediado no Japão. 

Fazia um mês que tinha morrido um amigo, colega seu de trabalho, e achou conveniente visitar seu túmulo no cemitério da cidade.

Comprou um ramo de flores e colocou-o sobre a sepultura. Ficou lá, de pé, pensando e recordando os bons momentos que tinham vivido juntos. Quase não percebeu a chegada silenciosa de um japonês que se aproximou do túmulo vizinho ao de seu amigo. O japonês desfez o embrulho que trazia e colocou sobre a lousa da sepultura, uma tigela cheia de arroz, segundo o costume tradicional de seu país, e lá ficou, de pé, olhando fixamente para o túmulo. O jornalista olhou o arroz e sorriu. Depois de algum tempo dirigiu-se ao silencioso japonês:

- A que horas virá o seu morto comer o arroz?

O japonês virou-se lentamente:

- À mesma hora em que o seu vier cheirar as flores.

(G. C. C.)