O moço entrou com passo firme na joalharia e pediu ao dono que lhe mostrasse o melhor anel de casamento que tivesse.

O joalheiro mostrou-lhe um... A bela pedra brilhava solitária como um diminuto sol resplandecente. O moço contemplou o anel e com um sorriso mostrou sua satisfação. Perguntou-lhe o preço e se preparou para pagá-lo.

- Vai casar-se logo?

- Não - respondeu ele. - Nem sequer tenho namorada.

O moço riu com a surpresa do comerciante.

- É para minha mãe - explicou. - Quando eu ia nascer estava só. Aconselharam-na que me abortasse. Assim evitaria problemas. Mas ela negou-se e me deu à luz. Teve muitos problemas. Muitos! Foi meu pai e minha mãe ao mesmo tempo, minha amiga e minha irmã e minha professora. Ela me fez o que agora sou. Agora tenho condições de comprar-lhe este anel. Ela nunca teve um. Agora vou dar-lho de presente com a promessa de que se ela fez tudo por mim, agora eu farei tudo por ela. Talvez mais tarde eu entregue outro anel a outra mulher, mas será o segundo.

O joalheiro não disse nada. Mas deu ordem à moça do caixa que fizesse ao moço aquele desconto que somente se faz aos clientes importantes.

(De "Motivaciones" - sem nome do autor)