A Ressurreição é a principal festa religiosa e o ponto de referência de todas as demais festas religiosas. É uma festa que não tem uma data fixa.

A Ressurreição aconteceu durante a lua cheia, perto do equinócio da primavera no hemisfério norte. (O equinócio acontece em duas épocas do ano, quando o sol atravessa a linha do equador, e, portanto, a duração dos dias é igual à das noites: nos dias 21 ou 22 de março e 22 ou 23 de setembro).

Em conseqüência a data da Páscoa foi marcada para quando coincidissem esses dois fenômenos. A primeira vez que se fixou este cálculo foi durante o concílio de Nicéia, no ano 325. Segundo esse cálculo a festa deveria ser celebrada no primeiro domingo depois da lua cheia que segue ao início da primavera.

Houve depois, ao longo dos anos, várias modificações no calendário, salientando a criação dos anos bissextos (em 1414) e a supressão de 10 dias do ano 1582. O Domingo de Páscoa, portanto, pode acontecer em 35 datas diferentes entre os dias 21 de março e 26 de abril.

Supondo que a Morte e a Ressurreição de Cristo tenham acontecido no ano 33, de acordo com a data da Páscoa judia -"Pessach-" naquele ano, o dia exato da Ressurreição seria no dia 25 de abril, e esse dia seria portanto o verdadeiro aniversário da Ressurreição.

Apesar disso, convencionou-se comemorar o aniversário da Ressurreição quando a própria natureza contribui para que, celebrando-se próximo da primavera e durante a lua cheia, essa seja a mais bela de todas as festas religiosas.

Com efeito, o Sol ao passar no equinócio, distribui por igual os seus raios por todo o planeta; a Lua, por estar no plenilúnio, ilumina com seus raios os que à noite celebram a Páscoa, e a Terra, por estar entrando na Primavera, faz com que os campos comecem a florir e as aves retornem com seus cantos...

(Resumo de um artigo do astrônomo Ronaldo Rogério de F. Moura)